ELETRI CAR

ELETRI CAR

DIANA, SACOLÃO NEIDE E FILHO

DIANA, SACOLÃO NEIDE E FILHO

ANUNCIANTES JULHO

ANUNCIANTES JULHO

BOI NÃO BERRA WAGNER SANTOS

BOI NÃO BERRA WAGNER SANTOS

BALNEÁRIO PIRAPORA

BALNEÁRIO PIRAPORA

MADEIREIRA MOVELAR E DROGARIA PREÇO BAIXO

MADEIREIRA MOVELAR E DROGARIA PREÇO BAIXO

quarta-feira, 12 de julho de 2017

MP pede devolução de R$ 18 milhões por fraudes na Prefeitura de Cocal

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (GAECO) apresentou quatro denúncias contra treze pessoas presas durante a Operação Escamoteamento. Os investigados foram presos por suspeita de receberem propina e de fraudarem licitações no município de Cocal. Eles são acusados de formar organização criminosa e de lavagem de dinheiro.
Prefeito Rubens Vieira foi procurado para comentar o assunto, mas não retornou as ligações (Foto:Ascom)
Os crimes teriam sidos praticados no período de 2013 a 2015. Na denúncia, o Ministério Público pede a manutenção das prisões preventivas dos acusados. A investigação teve início com denúncia da vereadora de Cocal, Adriana Borges.
A parlamentar denunciou irregularidades como inúmeras contratações de empresas sediadas no Estado do Ceará, com a transferência de vultosos valores, para a execução de obras no município de péssima qualidade. As investigações mostraram que as empresas contratadas não tinham capacidade para prestar os serviços.
De acordo com as denúncias, as fraudes foram realizadas com a participação de servidores da Prefeitura de Cocal.  O pregoeiro e o Presidente da Comissão de Licitação à época estão entre os investigados. Os dois foram apontados como fundamentais para o funcionamento da organização criminosa.
Entre as denúncias, está o caso de uma creche no valor de R$ 513.644,27. Logo em seguida a finalização da obra, o teto do local desabou. Ficou constatado que a obra foi feita com material de péssima qualidade. A suspeita é de desvio do dinheiro público.
 “Por meio das fraudes aos licitatórios do Município de Cocal, as empresas, de propriedade dos integrantes da organização criminosa, sagravam-se vencedoras. Após a homologação do resultado, o Município de Cocal firmava contrato administrativo com estas empresas. A partir deste momento, o Ente iniciava os pagamentos, sob pretexto de cumprimento às cláusulas contratuais. Os valores, então, eram depositados por meio de transferências eletrônicas nas contas correntes das respectivas pessoas jurídicas”, consta na denúncia.  
A reportagem do ClubeSat tentou entrar em contato com o prefeito de Cocal, Rubens Vieira (PSDB), mas não obteve retorno.  
Fonte: Redação http://clubesat.com/
Publicado por: Lídia Brito 


Nenhum comentário:

Postar um comentário