ELETRI CAR

ELETRI CAR

DIANA, SACOLÃO NEIDE E FILHO

DIANA, SACOLÃO NEIDE E FILHO

ANUNCIANTES JULHO

ANUNCIANTES JULHO

BOI NÃO BERRA WAGNER SANTOS

BOI NÃO BERRA WAGNER SANTOS

BALNEÁRIO PIRAPORA

BALNEÁRIO PIRAPORA

MADEIREIRA MOVELAR E DROGARIA PREÇO BAIXO

MADEIREIRA MOVELAR E DROGARIA PREÇO BAIXO

SKEMA 10 SET

SKEMA 10 SET

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Rômulo Cordão apresenta detalhes da Operação Escamoteamento

Descobriu-se nas investigações que 62 empresas fantasmas do Ceará estavam sendo contratadas por prefeituras e movimentando milhões de reais sem prestar os serviços.


O promotor de Justiça Rômulo Cordão, coordenador do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Piauí, concedeu entrevista na manhã desta sexta-feira (07) na sede do Gaeco, onde apresentou detalhes da Operação Escamoteamento, deflagrada em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), Tribunal de Contas da União (TCU), Controladoria-Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas do Estado(TCE), que está dando cumprimento a mandados de prisão, de busca e apreensão e conduções coercitivas a empresários e pessoas ligadas a políticos no Piauí, Ceará e Maranhão, envolvidos em esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e fraudes em licitações.

De acordo com Rômulo Cordão, as investigações iniciaram há cerca de um ano e quatro meses e foram solicitadas pelo promotor de Cocal, Francisco Túlio Ciarlini. Descobriu-se nas investigações que 62 empresas fantasmas do Ceará estavam sendo contratadas por prefeituras do Piauí, Maranhão de Ceará, e movimentando milhões de reais sem prestar os serviços. Foram movimentados cerca de R$ 200 milhões.

No Piauí, o município de Cocal foi o principal alvo da operação, onde foram cumpridos mandados de busca e apreensão na Câmara Municipal e na Prefeitura, no gabinete do prefeito Rubens Vieira, além de 33 mandados de condução coercitiva. Dentre as pessoas conduzidas, estão os funcionários da prefeitura, Jefsé e John Brendan, presidente da Comissão de Licitação e pregoeiro, respectivamente, além da irmã do prefeito, Auricélia. Também foram feitas duas conduções em Bom Princípio do Piauí e uma em Buriti dos Lopes.

Mandados expedidos pela Justiça

Estão sendo cumpridos 95 mandados, sendo 46 de busca e apreensão, 37 de condução coercitiva, 13 de prisão preventiva e cinco de sequestros de bens. Foram bloqueados aproximadamente R$ 19 milhões em bens.

Como funcionava o esquema

“Quando fomos investigar as empresas contratadas [por órgãos públicos e prefeituras], constatamos que eram de fachada. No endereço dessas empresas havia uma praça, em um terreno baldio, ou seja, não existiam de fato, ou empresas que, quando existiam, eram microempresas, mas que movimentavam até 20 milhões de reais”, explicou o promotor, que divide o esquema em quatro núcleos: núcleo empresarial, político, operacional e de laranjas.

O núcleo empresarial corresponde aos indivíduos, todos do Ceará, que constam como proprietários das empresas. Entre os empresários presos está Carlos Kenedy, que, segundo Cordão, já havia sido preso em operação policial anterior sob acusação do mesmo crime, e o contador e proprietário de um escritório de contabilidade, Joaquim Viana.

No núcleo operacional atuavam as pessoas responsáveis por tratar das transações financeiras. Uma destas pessoas é Ana Cristina, também do Ceará, namorada de um dos empresários que foi presa e é apontada como uma das principais operacionalizadoras do esquema.

O núcleo político era constituído por funcionários ligados públicos à prefeituras, responsáveis por contratarem os serviços das empresas fantasma.

Quanto aos laranjas, Rômulo Cordão explicou que as pessoas serão ouvidas, para que seja constatada participação no esquema. “Tem uma senhora de Cocal que é concursada como zeladora. Como ela é assalariada, em um ano recebe em torno de 12 mil reais. Mas ela recebeu em sua conta dinheiro de duas empresas investigadas, um valor de 65 mil de uma empresa e 45 mil de outra, em um ano”, declarou.

Fonte: GP1

Nenhum comentário:

Postar um comentário