ELETRI CAR

ELETRI CAR

DIANA, SACOLÃO NEIDE E FILHO

DIANA, SACOLÃO NEIDE E FILHO

ANUNCIANTES JULHO

ANUNCIANTES JULHO

BALNEÁRIO PIRAPORA

BALNEÁRIO PIRAPORA

MADEIREIRA MOVELAR E DROGARIA PREÇO BAIXO

MADEIREIRA MOVELAR E DROGARIA PREÇO BAIXO

SKEMA 10 SET

SKEMA 10 SET

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Obra de Castelo gera polêmica por ter empresa que projetou Algodões I


A organização não-governamental Olho Aberto levantou dúvidas em relação ao projeto da barragem de Castelo, que terá sua obra licitada no final desta semana. O motivo é que a empresa que elaborou a proposta é a mesma da barragem de Algodões I, rompida em 2008. Em resposta, o Governo do Estado garante que o novo reservatório será feito com toda a segurança. 


O contrato para elaboração do projeto executivo da barragem de Castelo foi assinado em dezembro de 2003 pela Secretaria da Infraestrutura do Piauí e a CEC Engenharia e Consultoria, representada pelo engenheiro Luiz Hernani de Carvalho. O valor do contrato foi de R$ 1.167.237,14. 

O mesmo engenheiro esteve em Algodões I dias antes do rompimento, atestando que não haveria tal risco, mas alertando que famílias ainda não poderiam voltar para a margem do rio Pirangi. Após o episódio, no qual nove pessoas morreram, ele divulgou nota reafirmando que o projeto era seguro, mas frisou não ter participado da fiscalização da construção das obras. 


A barragem de Castelo ficará entre Castelo do Piauí e Juazeiro do Piauí, Norte do Estado. Serão investidos R$ 320 milhões para represar 2,6 bilhões de metros cúbidos das águas do rio Poti, prevenindo enchentes em oito cidades, inclusive na capital Teresina. O edital será lançado na próxima sexta-feira (10). 

A obra será comandada pelo Instituto de Desenvolvimento do Piauí (Idepi), que garante a segurança do projeto. O diretor-presidente do órgão, Elizeu Aguiar, afirma que a proposta passou por uma revisão e teve de ser submetida ao Ministério da Integração para ter os recursos liberados. 

"O Idepi fez todo um trabalho de revisão e faz todo o acompanhamento das normas técnicas ao longo da barragem. Nós vamos lançar essa licitação com toda a segurança", afirmou Elizeu Aguiar, ressaltando que uma empresa de consultoria será contratada para acompanhar a execução de toda a obra. 


Outro ponto lembrado por Elizeu Aguiar é que o projeto elaborado para Algodões I não foi motivo de questionamento após a tragédia. Além disso, ao invés de terra, a Barragem do Castelo será feita de concreto compactado a rolo, material de maior resistência. 

Danilo Maracaba, presidente da ONG Olho Aberto, disse que a pretensão inicial da entidade foi recorrer aos veículos de comunicação para fazer o alerta. Caso o resultado não seja satisfatório, Ministério Público e outros órgãos podem ser acionados.

Fábio Lima
fabiolima@cidadeverde.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário